Escolha uma Página

Depois de anos de preparo, em 1888, era inaugurado o Concertgebouw. Finalmente Amsterdam tinha uma sala de concertos digna de sua grandeza.

Logo no seu começo, a sala já era admirada por sua acústica e instalações impecáveis. A primeira orquestra foi reunida às pressas, mas contava com os melhores músicos do velho continente. Muitos deles, se encantaram com o luxo e o amor dos holandeses pela música clássica.

William Kes foi o primeiro maestro de Concertgebouw

O primeiro maestro da orquestra foi Willem Kes, também um dos maiores violinistas de sua época. Ele deu lugar ao grande Willem Mengelberg, antes de assumir uma orquestra na Escócia.

orquestra-real-de-concertgebouw-concerto

A genialidade era pré-requisito para assumir o principal posto da Orquestra Real do Concertgebouw. Desde sua criação até hoje, apenas 8 homens tiveram essa honra em quase um século e meio de orquestra.

Entre os músicos notáveis estão Jörgen van Rijen e Edo de Waart.

Gustav Mahler inspirou a Orquestra Real do Concertgebouw

orquestra-real-de-concertgebouw-Gustav-Mahler

Um artista que não pode ser esquecido ao contar a história da ópera é Gustav Mahler. O alemão foi uma inspiração para Concertgebouw. Suas sinfonias sempre eram tocadas e ele era heróis dos músicos da época.

Hoje, Gustav é considerado um dos maiores compositores do período romântico. Suas obras tem um caráter sombrio muito antes de o dark entrar na moda. Sinfonias longas com muita técnica e criatividade.

Título nobre veio no centenário

A orquestra tem um processo seletivo extremamente rigoroso. Além de dominar com maestria seu instrumento, para entra no selete grupo dos 120, você tem que se adaptar com rapidez e harmonia ao resto dos músicos.

São em média 120 concertos por ano, apenas 30 fora de casa.

A Orquestra passou a se chamar real em 1988, na comemoração seu centenário. O presente foi dado pela Rainha Beatriz dos Países Baixos. O que faz a única orquestra real do mundo.

× Quer receber atendimento exclusivo?